Missa dos Folclores e Marchas

Foi ao ritmo do folclore português, que define e, muito bem a nossa cultura, vivencia, tradição, mas sobretudo a sabedoria popular adquirida através dos tempos, que a missa foi animada na Missão Santa Cruz, no passado Domingo.
Tony Cunha, um dos pilares da Missão Santa Cruz e um homem de música, de poesia, de consenso e de fé, teve a responsabilidade de gerir este evento e ao mesmo tempo a musicalidade da animação da santa missa, modificando e intercalando ritmos do folclore.
Padre Adam celebrou esta linda missa que contou com a Marcha do Oriental, Cana Verde e o Grupo Folclórico Praias de Portugal do Clube Portugal atuaram neste dia onde esta celebração estava repleta de cor, harmonia e de alegria, fazendo reviver a cada pessoa, o folclore da sua região.
A animação continuou após a missa, no salão grande da Missão, aonde foi servido um lanche a todos os que bem quiseram aderir ao convite do padre Adam.
No próximo domingo, 18 de fevereiro, para continuar as celebrações do sexagésimo aniversario da Missão, teremos a missa temática da “Missa Fadista”, às 11h30. A comunidade Santa Cruz conta, mais uma vez, com a vossa participação.

Lindíssima Noite de S. Valentim na Casa dos Açores do Quebec

As festinhas já voltaram na Casa dos Açores do Quebec no fim de semana transacto.
O DJ Machado estava a animar esta linda festa e o jantar foi realmente uma delícia e um serviço de 5 estrelas. Festejou-se um lindo casal e tocaram no carnaval. Uma noite realmente bem divertuda. Parabéns.

Feliz aniversário José Manuel Fróias

Era uma vez um homem de família. Conheci este homem sem o conhecer. Falando e parlando tivemos bons momentos e é sempre uma jóias.
A todos os dias o encontrava através da comunidade, um dos meu grande defeitos é que quando encontramos, falamos de tudo e de de nada mas não sou cusco e nem sabia que era o pai de um grande amigo. José Carlos Fróias, DJ XMEN.
Sábado passado, dia 10 de fevereiro de 2024 festejou-se os anos do Sr. José Fróias. 80 anos de vida não é simples a chegar. Mia, Duarte Jordelina Benfeito e o DJ XMen animaram esta linda noite bem regada de amor e de amizades.
Há altos e baixos na vida mas estive muito feliz de estar com esta linda família. Espero que todos vão gostar de ver estas lindas fotos que festejou-se na Associação Portuguesa do Canadá.
No meio da festa, o netos decidiram de fazer uma marcha à moda da sua Terra Natal, como o avô era um grande apreciador de marchas e que também foi o mestre das danças de Água de Pau, e que sempre foi ligada a esta linda tradição.
Mais uma vez, Feliz Aniversário e vamos continuar a nos encontrar nos bons momentos na comunidade.

Introduzindo o Foyer Portugais Santa Cruz

O Foyer Portugais Santa Cruz, que é situado no 4160 rue Clarke em Montréal, Fundado em 1987 por um grupo de visionários com o objetivo de acolher pessoas com mais de 60 anos de idade e com rendimentos limitados.
Na altura foi um grande compromisso e orgulho para aqueles que tanto trabalharam para que este projeto se concretizasse.
Através dos últimos 35 anos, muitas pessoas beneficiaram de rendas baixas e da proximidade da comunidade. Ainda hoje, existem duas locatárias originais a viver no prédio. Esta residência destina-se exclusivamente a pessoas autónomas.
O prédio contém 31 apartamentos dos quais a grande maioria são compostos de um quarto, uma sala, e uma cosinha. Esta obra foi, e, continua a ser financiada pelo “Sociéte d’habitation du Québec”; como tal é regido pelas regras e estatutos que lhe são impostos.
É o SHQ que estabelece o orçamento anual e todas as despesas fora do orçamento têm de ser pré-aprovadas por eles.
A administração do Foyer é assegurada pelo conselho de administração eleito pelos membros que se reúnem uma vez por ano numa assembleia geral para avaliar os relatórios financeiros, debater questões pertinentes, e eleger o Conselho de Administração para o ano seguinte.
O conselho de administração (voluntários – sem renumeração), e um administrador certificam que o edifício é bem gerido e seguro.
Ao longo dos anos, os membros originais do Foyer foram sendo reduzidos por razões de saúde e/ou já não estão disponíveis (alguns falecidos, outros foram para Portugal).
É necessário fazer passar a palavra que este património da comunidade precisa de apoio, precisa de novos membros que possam fazer parte da sua governação. Se sente que pode contribuir e valorizar o que a geração anterior trabalhou tão arduamente para construir, inscreva-se para se tornar membro (a inscrição é gratuita).
A próxima assembleia geral para eleger o novo conselho realizar-se-á no dia 25 de fevereiro as 15h no centro comunitário da Igreja Santa Cruz. Para mais informação contacto por correio eletrónico para foyerportugaissantacruz@gmail.com ou telefone para 438-372-4053.

Angola chegou até as quartas de final da Copa das Nações Africanas e no Piri Piri Hochelaga foi um lugar dos festejos

Este ano, Angola caiu no Grupo D da Copa Africana de Nações, junto da Mauritânia, Burkina Faso e da Argélia, considerada por muitos uma das principais favoritas ao título do torneio. Na estreia, empate por 1 x 1 diante da Argélia e vitórias sobre a Mauritânia por 3 x 2 e na última rodada da primeira fase, mais um triunfo, desta vez por 2 x 0 frente à Burkina Faso, segunda colocada do grupo.

Mais surpreendente que o bom desempenho de Angola foi a péssima campanha da Argélia, que ficou pelo caminho, com apenas um ponto somado, na última colocação da chave. Os grandes destaques da primeira fase foram Mabululo, jogador do Ittihad Alex, do Egito e Gelson, do Al-Warkah do Catar, que juntos marcaram quatro gols.

Gelson foi ainda mais decisivo nas oitavas de final, no show angolano para cima da Namíbia. O centro-avante marcou dois gols da vitória por 3 x 0 e Mabululo também deixou a sua marca. O resultado fez com que a equipa alcançasse a mesma fase de 2008 e 2010, quando Angola conseguiu chegar às quartas de final da Copa das Nações Africanas, ainda com parte da base que fez história ao se classificar para a Copa do Mundo de 2006.

Nas quartas de final, derrota para a Nigéria pelo placar de 1 x 0, mas um resultado vendido caro em um jogo disputadíssimo, decidido com um gol do atacante Lookman, aos 41 minutos do primeiro tempo. A derrota foi uma decepção para a equipe angolana, tendo em vista que apresentou um bom futebol durante a competição, mas mostrou que a seleção vem evoluindo e conquistando cada vez mais espaço dentro do cenário africano.

O feito deste ano foi ainda mais difícil do que em 2008 e 2010, quando alcançou as mesmas quartas de final da Copa das Nações Africanas, a diferença é que nas edições passadas, a competição continental era disputada em um número menor de seleções.

Em Montreal viveu-se o espírito de Futebol com a comunidade angolana que escolheram o restaurante Piri Piri Hochelaga para celebrar as vitórias de Angola, mas no último jogo sexta-feira foi uma derrota muito triste mas todos adoraram a camaradagem e a comida do Piri Piri.

Uma Tertúlia em honra do Prof. Luís Aguilar

Em 2005 tive a honra de ser um dos seus alunos. Numa sessão tive a oportunidade de ver quem ele é. Uma pessoa com grandes ideias e que fez muito para a língua portuguesa em Montreal.

E, de repente, vi na internet o seu falecimento no dia 23 de novembro de 2023. Fiquei muito emocionado quando ouvi que haverá uma “tertúlia” em sua memória no dia 4 de fevereiro na Associação Portuguesa do Canadá, pensei ver e apreciar este lindo gesto da sua esposa, família, alunos e amigos dar um toque no que ele gosta tanto. Uma tertúlia, para quem não sabe, é uma reunião de amigos, familiares ou simplesmente frequentar um local, que se reúnem de forma mais ou menos regular e discutir sobre vários temas ou assuntos. Desta vez é um último adeus a um homem de literatura, um professor, um amigo, um colaborador de vários jornais, tal como o Luso Presse e A Voz de Portugal, foi um amor da vida e que nunca será esquecido na comunidade.

Claro, ele tinha os seus vícios, ele tinha uma maneira de pensar que muitos não o compreendia mas muito o seguiu, ele foi uma pessoa digno de tudo o que ele fez durante a sua vida, e espero que a proxima geração continuirá de uma certa maneira o que ele faz.

No final desta linda e emocionante tarde tivemos um momento de Fado com Luís Duarte, António Moniz e Nelson Moreira.
Adéus Luís.

Santa Cruz, 60 anos a servir em grande a Nossa Comunidade Portuguesa

Eu sempre disse e voltarei sempre a dizer que há momentos que devemos dar o espaço a certas organizações e dando o mérito aos organismos que merecem.

A Missão Santa Cruz é o terceiro organismo comunitario, que foi constituido na comunidade. Uma comunidade que iniciou a sua vida comunitaria com a fundacao da Associação Portuguesa do Canadá, 1961 a criação do jornal A Voz de Portugal e depois a Missão Santa Cruz em 1964.

Estas três organizações são ligadas todas juntas e criaram o que é a nossa comunidade sem esquecer as outras organizações que nasceram depois, tal como o Clube Portugal de Montreal, os Ranchos Folclóricos, as filarmónicas, o Centro Comunitário do Espírito Santo de Anjou, o Centro de Hochelaga, O Clube Oriental e muitos outros organismos que estão em Montreal e mesmo Laval, tal como o rancho folclórico e a Missão de Nossa Senhora de Fátima sem esquecer a associação de Lasalle, varios clubes desportivos, Sporting, Benfica e muitos outros da liga portuguesa de futebol, e mais recentemente o Festival Portugal. Tudo isso faz mexer e da vida a nossa comunidade.

NUNCA devemos esquecer a força das três organizações principais da Nossa Igreja Santa Cruz.
Em primeiro, a comissão de festa do Senhor Santo Cristo dos Milagres que ajudou enormemente ao desenvolvimento económico da Missão Santa Cruz que mobilizou a comunidade a comunidade na angariaçao de fundos para a compra das instalaçoes actuais e a construçao da igreja Santa Cruz.

Na decada dos anos 70 havia festas que o benficio financeiro, elevava-se a mais de 100 000$, para além das multidoes de portugueses que marcavam presença e que manisfestavam a sua fé ao Senhor Santo Cristo.
Hoje comissão das festas do Sr Santo Cristo continua a divulgar em grande as festas do Santo Cristo e ajudar a Missão Santa Cruz finnceiramente.

Em segundo ao imperio do Divino Espírito Santo que faz mexer muitas famílias na nossa comunidade, com gesto de generosidade, junta a volta da mesma mesa, sem distinçao de classe social pobre e rica, para comeram as sopas em honra do Espirito Santo.

Durante 7 semanas com as domingas do Espirito Santo, varias familias anos apos ano durante uma semana, juntam nas suas resdencias, familiares, amigos e comunidade em geral para rezaram o terço a virgem Maria, declamam lindas orações e cantam canções do Espírito Santo. No final domingo de pentecostes, há uma grandiosa festa que anima toda a comunidade.
Mais tarde os Madeirenses residentes em Montreal, decidiram honrar a sua padroeira Nossa Senhora Do Monte, organizando em agosto, as festas em Honra da Senhora do Monte, que reanima a nossa comunidade, com as suas iguarias culinárias, bolo do coco e as saborosas espetadas de carne.

Estas tres grandes festas sao a vitrina da comunidade portuguesa na missao de Santa Cruz criou-se e continua a manter viva as suas tradições religiosas.

É claro que há outras festas, Nossa Senhora de Fátima, Festa do Sagrado Coração de Jesus, e muitas outras festividades dentro ou fora da igreja de Santa Cruz.

E, para finalizar a minha introdução deste artigo a nossa história nunca deve ser esquecida, muitos homens e mulheres trabalharam arduamente e benevolamente durante 60 para tornar realidade o que é hoje em dia a missao de santa Cruz, horas e horas que passaram a organizar, enfeitar, preparar e dar o seu tempo a nossa comunidade.
Não sao uma meia duzia de pessoas que devem ser homenageado, é todos os membros que fazem ou que fizeram a Missão Santa Cruz o que ela é, HOJE a comunidade portuguesa portuguesa.
Neste pensamento não quero criar discordia nenhuma, mas é importante de notar isso para que a próxima geração possa nao esquecer o que os seus antepassados, fizeram sacrifícios, para construir a Missão Santa Cruz.
Sábado, dia 3 de fevereiro de 2024, organizou-se as celebrações dos 60 anos da Missão Santa Cruz. Um evento extremamente importante para a nossa comunidade. As vezes devemos realçar estes momentos porque atualmente a comunidade deve sobreviver de uma maneira ou da outra. A Missão Santa Cruz através dos anos sobreviveu com todas as adversidades das gerações e da integração cultura da sociedade.
Devemos compreender que estamos a ver mudanças da nossa vida comunitária a a Santa Cruz criou-se e recriou-se como um veículo comunitário com a escola portuguesa e a Universidade dos Tempos Livres que muito esquecem-se mas são duas parte muito importante para que a cultura educação continua bem viva na nossa comunidade. Eu sou parte de um deles na escola da Santa Cruz e hoje em dia sei o que eu sei graças ao ensino desta escola. E, agradeço a todos os dias que eu conheço como falar, escrever e conhecer a história de Portugal, uma riqueza importante da Missão Santa Cruz.
Nesta Noite tivemos um elenco fenomenal com o DJ Jeff Gouveia e Fernando Correia Marques que veio diretamente de Portugal para realçar e marcar esta festa. O DJ fez mexer toda a sala e o cantor fez um espetáculo sensacional durante esta noite. A mestre desta festa foi Marta Raposo que fez um bom trabalho para organizar as homenagens e para que tudo cora bem durante a noite.

Na parte protocolar, houve 3 homenageados, a Sra. Zulmira Paulo Barros que trabalha para a Santa Cruz durante muitos anos e que se dedicou ao seu trabalho e ao mesmo tempo ajudando quase todos os padres a integrar-se e ter uma continuação profissional da Missão Santa Cruz. O Sr. Manuel Neves que fez parte da do conselho de administraçao durante muitos anos e que continua a ajudar a Missão Santa Cruz e que é um laço muito importante nas ajudas e fotógrafo oficial durante mais de 20 anos. Relatando e historiando a Missão Santa Cruz com as suas fotos, vídeos e muito mais. A terceira pessoa homenageada foi o Sr. Gonçalo Gomes. Uma pessoa que eu admiro muito por causa do seu estilo, da sua maneira de ser, e ao mesmo tempo implicou-se durante muitos anos na Missão Santa Cruz. Organizando festas e ajudando nas festas durante muitos anos.
Por último tivemos um momento de silêncio pela alma do Sr. Antero Branco que ajudou muito a Missão Santa Cruz e que apresentaram uma placa comemorativa que será posto no muro comemorativo da Missão Santa Cruz, um gesto muito importante para uma pessoa que fez muito para a nossa comunidade, foi de lamentar nao estar presente a sua esposa (viuva ) Rosa Branco, também ela muito dedicada a comunidade de Santa Cruz. O Concelho Administrativo agradeceu a todas as pessoas que fizeram parte da Missão Santa Cruz.

Nao comprendemos porque razao a comissao de festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres de Montreal, Mordomo do Espirito Santo e comissao de Festas de Nossa Senhora do Monte que estavam presentes nao foram mencionados durante o serao?
A esta pergunta só os membros do conselho de administraçao e organizadores do evento, podem responder a nossa comunidade.
Prontamente três organismos comunitários deram uma lembrança para marcar este evento, tal como o Festival Portugal, Casa dos Açores e a Rádio Centre-Ville.

Podemos realçar também todos os patrocinadores que ajudaram muita para realizar este evento: Les Volailles Fernando, Salão Fildes, Connie Freire, Quincaillerie Azores, Estrela do Oceano/Viva, Padaria Lajeunesse, Tap, Sá e Filhos, Terra Nostra, A Voz de Portugal, Global Cabral Porto, Casa Minhota, Worlée, Lucy da Ponte e Luciano Guido, Chouriçôr, Magnus Poirier, Les Espaçes MEMORIA, Equipa Olivia Paiva.

No final a sala estava cheia de boas gentes e que festejaram em grande este aniversário tão importante. O jantar foi confecionado pelos chefes José Fernandes e Mario Silva e a sua equipa que fizeram um excelente trabalho saboroso e com muita fartura. Devemos agradecer aos jovens em Ação pelo trabalho que eles fizeram para servir e organizar o serviço desta noite e que foi formidável. Quero agradecer a Missão Santa Cruz pelo convite que foi feito ao jornal A Voz de Portugal e em meu nome tive a honra de realizar o cartaz desta linda e memorável festa, e, para finalizar, Feliz Aniversário à Missão Santa Cruz.

José Cesário — Deputado pela Imigração Portuguesa Fora da Europa

Considerado, com razão, um dos maiores expoentes na escrita da língua portuguesa e um dos mais fecundos falantes da segunda metade do século XX, José Cesário pela sua verve e experiência foi repescado para a equipa do PSD e representou a Imigração Portuguesa no Canadá, nas últimas formações legislativas desse partido.
A qualidade artística dos seus léxicos, quase desenhados, têm extraordinária riqueza, pitoresca por vezes, original e dotada de enorme riqueza sensorial caracteriza profundamente, quem se designa a si próprio como o “professor das escolas”. Características são também as expressões de carácter popular, entre o grotesco e o satírico, em diálogos que condimentam a sua graciosa maneira de falar. Ou, não fosse José Cesário, um “professor das escolas”.
Recordo, com certa apreensão, a possibilidade de numa profecia avançada por conhecido sociólogo se se concretizasse a aterradora prenuncia de nas eleições que se aproximam, os kamaradas vermelhos, alcançassem a maioria eleitoral. Seria o mundo às avessas. Ou seja: vermos o Deputado procurando emprego. Como possível? Onde ficaram os opositores? As belas gargantas das críticas e até, más-línguas? Com a frieza de quem conhece bem o espírito “fala barato” do Homem Português, José Cesário, pensou na possibilidade de o vermos cá, talvez, aspirando um lugar, no meio do Ensino Felizmente que para ele isso não se realiza, e temo-lo de novo, a tentar ultrapassar as dificuldades inerentes à sua posição de deputado, ler mesmo Ministro da Imigração. Isto só será possível se, todos quantos gargarejam contra os sabujos da corrupção, ficarem cobardemente em casa. Aqueles que, não desperdiçam apenas um Voto necessário, como também, a possibilidade de dar opiniões e igualmente, permitir a quem tem conhecimentos adequados, de os esclarecer. Tenhamos esperança que o bom senso ganhará.

É neste jogo de estratégias e de bom senso que iremos receber e apoiar o Homem que nos representará na Assembleia da República. Não será fácil. Sabemos disso. Porém, “tudo vale a pena se a alma não for pequena”. Seguindo os hábitos duplicados dos xocialistas , vemos em pequenas passagens, aqui e além, as manigâncias do corpo avançado e fantasista dos vermelhos que se imaginam já no poder. Não me façam rir. É verdadeiramente cómico ver o pretenso PM substituto agir como tivesse sido programado por simples decisão do chefe demissionário. No corpo de deputados não haverá quem com ele queira cruzar o ferro, ou temos elementos sem voz e sem ambições? Que tipo de gente é esta? Nem para o CA dum galinheiro de galinhas molhadas!
O agrupamento de míseros Partidos (já lá vai o tempo em que um Partido só teria lugar na AR com o número de 12 ou 13 eleitos, não com apenas um deputado… ridículo e embaraçador!), parece fazer uma certa maioria dos vermelhos. A lembrar a “colaboração” dos Liberais de Trudeau e os inocentes Democratas hindus….
A paisagem vizelense, as personagens e costumes da região, as tradições, o modo típico de falar, marcam também um puro regionalismo, num apego à terra e às suas gentes que não nos pode deixar de apreciar.
O impulso e instintos naturais do Homem são analisados com perspicácia e ele acaba quase sempre por mergulhar num positivismo coerente e, para isso, o apoiaremos convencidos da generalidade da gente portuguesa de bem.
Todos às urnas, Por Portugal. É tempo de devolvermos o país a quem dele é merecedor.
O Povo!
O País precisa de nós. A nós e responder PRESENTE!
Apoiemos José Cesário e o PSD.
Por PORTUGAL!

Taça da Liga: Sp. Braga 1-1, 5-4 gp Estoril: Glória minhota no último suspiro

O Sp. Braga conquistou o terceiro troféu da Taça da Liga ao bater o Estoril, em Leiria, no desempate por grandes penalidades (5-4) depois de um empate 1-1 no final do tempo regulamentar. Os canarinhos marcaram primeiro, mas os minhotos reagiram em força e chegaram ao empate com um grande golo de Ricardo Horta. Isto nos primeiros vinte minutos, depois as duas equipas deixaram arrastar o jogo até aos penáltis, onde o Estoril já tinha sido feliz diante do Benfica, mas, desta vez, foram os minhotos que fizeram a festa.
O jogo começou com uma grande festa nas bancadas, mais efusiva da parte dos amarelos, e alguma ansiedade sobre o relvado, mais do lado dos minhotos. A equipa de Artur Jorge procurou, desde logo, assumir as rédeas do jogo, com também mostrou alguma desarticulação nas transições defensivas, primeiro com uma entrada dura de Paulo Oliveira sobre Cassiano, a roçar o jogo perigoso, logo a seguir, numa falta de José Fonte, na área, sobre o avançado brasileiro. Num primeiro instante, Fábio Veríssimo mandou jogar, mas, depois de alertado pelo VAR, foi rever as imagens e apontou mesmo para a marca dos onze metros. Cassiano, com um remate seco e colocado, atirou a contar.
Seis minutos e o Estoril estava na frente, com festa redobrada nas bancadas. O Sp. Braga cerrou os dentes, arregaçou as mangas e partiu para cima dos canarinhos que encolheram, de imediato, para um 5x4x1. Os minhotos atacavam agora por todos os lados, principalmente pelos corredores, com Victor Gomez muito ativo sobre a direita a arrancar três cruzamentos num espaço de poucos minutos e, num deles, Abel Ruiz esteve muito perto de marcar. O Estoril não conseguia reagir face ao crescente volume de jogo do Braga, em vagas sucessivas, mas foi de bola parada que o empate chegou aos 20 minutos. Canto de Zalazar da esquerda, bola a meia altura, com Ricardo Horta, de fora da área, a puxar o pé atrás para lançar um autêntico foguete para as redes de Dani Figueira. Um golaço de levantar o estádio e que também permitiu à equipa de Artur Jorge serenar.
O Sp. Braga manteve o controlo, mas levantou o pé, permitindo ao Estoril respirar. O ritmo do jogo caiu a olhos vistos, com as duas equipas agora mais concentradas na defesa da sua área, menos preocupadas em incomodar o adversário. Com cinco amarelos até ao intervalo (três para o Estoril, dois para o Braga), o jogo arrastou-se até ao intervalo sem grandes sobressaltos.
Com mais posse de bola, mais ataque e mais remates, o Sp. Braga terminou a primeira parte com um ligeiro ascendente, mas a segunda começou com o Estoril a exigir protagonismo. Os canarinhos entraram para o segundo tempo com um bloco bem subido, a colocar muitas dificuldades ao Braga que, estranhamente, recuou em toda a linha, cedendo muito espaço ao adversário. Podia ser uma estratégia de Artur Jorge, para atrair o adversário, mas a verdade é que os minhotos estavam a deixar jogar em demasia e voltaram a apanhar um novo susto, quando Matheus saiu da área para se antecipar a Thiago Araújo.
O treinador do Sp. Braga não podia estar satisfeito com o que estava a ver e não demorou a remodelar o meio-campo, com as entradas em simultâneo de Pizzi e Al Musrati, já depois de ter lançado Roger, que passou a ser o jogador mais jovem numa final da Taça da Liga, para o lugar do apagado Álvaro Djaló.
A verdade é que o jogo seguiu incaracterístico, com as duas equipas a perderem facilmente a bola, a fazerem muitas faltas e a jogarem pouco futebol. Uma tendência em crescendo, à medida que os minutos corriam para o final, com as duas equipas a arriscarem casa vez menos com os penáltis à vista e acusarem o esforço acumulado de umas meias-finais exigentes.
O Estoril ainda ensaiou alguns remates de longe, primeiro por João Marques, depois por Koindredi, enquanto o Sp. Braga só conseguiu provocar um calafrio na área do Estoril aos 83 minutos, na sequência de uma falha de Mangala que permitiu a Abel Ruiz servir Pizzi para um pontapé forte para boa defesa de Dani Figueira.
O único desequilíbrio mais evidente não estava no relvado, mas nas bancadas, com os amarelos sempre em festa, face à maior apatia dos minhotos. No relvado mantinha-se uma enorme tensão, mas pouco risco, pouca ousadia e escassas oportunidades até ao minuto 96.
Na lotaria das grandes penalidades, toda a gente marcou até à última série, em que Tiago Araújo atirou para as nuvens, deixou-se cair sobre o relvado e abriu caminho para a festa do Sp. Braga.

Silêncio canta-se o Fado

Foi num bonito silêncio que se ouviu esta linda canção do rectângulo, o fado, numa sala cheia de adeptos, que fadistas, guitarra, violão e viola baixo tudo fizeram para aquecer uma das noites frias de Montreal no dia 20 de janeiro de 2024 no Clube Oriental Português de Montreal.

O António Moniz com sua guitarra muito bem acompanhado pelo veterano Luís Duarte na viola do fado e pelo futuro veterano Nelson Moreira na viola baixo, foram tocando para Açoriana Jordelina Benfeito, Suzi Silva, Luís Duarte e mais tarde as lindas vozes da segunda representante dos Açores, Fátima Miguel e Também Christina Rodrigues.

Isto foi o que se passou no palco, mas na cozinha estava outros dois maestros de fazer saír, não melodias, mas sim asseadíssimos pratos de delícias para agradar o paladar dos que desafiaram o frio e foram até a sala do conceituado e prestigioso Clube Oriental de Montreal. Sim senhor estão de parabéns o chefe Henrique e o lavador de pratos Jean Claude, pelo tudo de bom que foi servido neste serão. Queria também salientar o trabalho das lindas jovens portuguesas e dois rapazes que faziam com que a comida não ficasse parada na cozinha, a Celeste, Marco Paulo, Kayla, Micael, Erica, Leila, Jovens em Acção da Santa Cruz.

O Henrique Laranjo queria que eu não esquecesse colaboradores invisíveis mas muito importantes no desenvolvimento da festa, donas Nazaré, Angelina, Maria João e a secretária dona Graça. Também o Telmo que ocupou-se das luzes na sala, o silêncio era ele que quase obrigava aos presentes quando baixava a claridade e parava o serviço as mesas. Estão todos de parabéns, desde o Presidente Gilberto Alves até ao jornalista José de Sousa, valeu a pena enfrentar o frio para ir ao encontro de gente maravilhosa e calorosa.

1 2 3 39
Aller en HAUT