- page 3

Jean Rouselle e Anabela Monteiro

Há 10 anos, eu estava no jornalismo político, eu estava bastante implicado com os liberais e não só. É difícil acreditar que o tempo passa de pressa e chega o momento onde devemos tomar decisões importante na vida profissional ou pessoal.

Quando tomamos esta decisão é que devemos dizer que mudamos de página e vai se re-escrever uma nova página. Para Jean Rouselle, deputado de Vimont, Eu sempre o admirei de longe, as vezes a imagem dele, e, tudo o que ele fez através dos anos, fez ter medo de falar com ele, e, no fim ele é um homem sensacional e respeitado de todos. Ele representa uma grande parte de Laval, e, ao mesmo tempos podemos notar que há vários negócios portugueses nesta linda área.

Em setembro ele vai celebrar os seus 10 anos na vida política/publica e isso merece muito para um homem que se dedicou a 300% a sua comunidade. Eu o encontrei, pela primeira vez, na maravilhosa entrevista de Anabela Monteiro para o Mundo Maravilhoso de Anabela.

A primeira entrevista que nós tinhamos feito para o show A Voz de Montreal.

Achei que foi uma das mais lindas entrevistas que eu vi,… mas ao mesmo tempo, Anabela Monteiro fez várias entrevistas e ela está cada vez a melhor e a fortelecer o nosso “show”. Não se esquecem, a semana que vem,… ela estará de volta com uma entrevista surpresa!

É importante de notar que Anabela fez um persurso sensasional através do anos, no mundo político e o seu mundo está pouco a pouco ser revelado a nossa comunidade neste lindo programa. Ela sempre apresentou um vento de frescura neste meio político e acho que seria o bom tempo de entrar como deputada de Vimont, já que ela conhece muito bem esta secção de Laval, acho que ela seria uma candidata ideal.

“Jean Rouselle, des fois, c’est difficil de prendre des décisions pour soi-même, surtout dans le monde de la politique,
on pense toujours à la communauté, et des fois on s’oublie. Le temps passe et on ne rajeunit pas, j’espère que l’on pourra se voir un jour au Portugal, prendre un bon verre de Porto, relax en compagnie de ta superbe femme. À la prochaine…”

Noite Branca na Associação Portuguesa do Canadá

A primavera já está a sentir muito bem, e que estamos desejados a voltar a esta linda vida normal. No sábado 2 de Abril, a Associação Portuguesa do Canadá comunidade efetuou, mais uma grandiosa festa, um jantar/baile nominado de Noite Branca, consta de que todas as pessoas presentes se apresentam vestidos de branco, é um evento cultural que se celebra em Paris, em algumas cidades de Portugal e em Montreal.

Na noite da Páscoa há esta folia do “Bal en Blanc”, um “Rave” incrível de quase 15 000 pessoas que vão a esta festa com três grandes sala e todos vestidos em branco. Um evento para os jovens, e menos jovens a dançar e festejar durante 24h sem parar.

É claro não é o mesmo evento,… mas…

O jantar foi servido com uma entrada de filete de Pescada com arroz, e o prato principal foi a carne de porco a alentejana, que foi sem duvida, uma ementa muito bem apreciado por todas as pessoas presentes devido a excelente confeção do mesmo. Servido pela juventude do Grupo Folclórico Campinos do Ribatejo que fizeram um grande trabalho em que nada faltasse nas mesas.

Na parte musical esteve a cargo do talentuoso Eddy Sousa e o Tony Michel, um par que faz abrir muitos olhos na comunidade portuguesa em Montreal, e claro, o nosso DJ X-Men, que com uma musica alegre e diversa animaram o serão. Estiveram em destaque dois artistas convidados e que tem um longo percurso artístico, Arlindo Andrade dos Estados Unidos e o César Russo que vem de Ontário, cantaram vários trexos do vasto reportório destes artistas.
Foi uma linda noite memorável, e para as pessoas que não vieram vão adorar a nossa reportagem fotográfica e não esquecer de ver o nosso programa A Voz de Montreal quinta-feira com uma emissão dedicada a este sensacional evento que merece um destaque em grande para os nossos A administração da Associação Portuguesa do Canadá está de parabens, ao ter organizado esta festa que já estava a faltar na comunidade devido a situação pandémica.

Lembramos que todas as sextas-feiras há jantares com musica e dança, e que há ume grande surpresa no programa televisivo em que o presidente da Associação fala de… espero que vocês vai ver A Voz de Montreal.

Jorge Matos

Rúben Pacheco Correia em Montreal

Rúben Pacheco Correia nasceu nos Açores, em 1997. Autor publicado desde os 14 anos, conta já com cinco obras editadas. Neto e filho de chefes de cozinha, abriu o primeiro negócio aos 18 anos, o Botequim Açoriano, que hoje constitui já uma referência na restauração local. Frequenta a Faculdade de Direito de Lisboa e, nos últimos anos, tem-se dedicado à gastronomia.

Colabora, desde 2018, com a revista Nova Gente, como crítico gastronómico, e foi júri do III Concurso da Francesinha, no Porto, e da Pós-graduação de Gastronomia Criativa da Universidade Europeia.

Comer à Moda dos Açores O autor chama-lhes nove pedaços mágicos de terra. Os Açores são uma combinação de muitos fatores: os aromas de mel, maracujá e ananás, a qualidade única do peixe do mar azul, as pastagens verdes, a suavidade única do chá, o odor a funcho nas serras, a hortelã nos campos, a salsa nos jardins ou a amoras silvestres que gritam pelos muros das ilhas. Os Açores de Rúben Pacheco Correia sabem a angelica, a vinho de czares, a malassadas nas festas de freguesia, a sopas de Espírito Santo dos Impérios. São terras de temperos únicos, do queijo branco em folha de conteira e do bife flamejado em vinho e temperado com pimenta inteira.

Rúben Pacheco Correia nasceu numa família na qual os assuntos importantes são tratados à mesa. A mãe é cozinheira e ensinou-o a gostar de comer, a apreciar o que é bom e a distingui-lo do que é menos bom. Também a avó paterna é chefe de cozinha e uma grande pasteleira. Com a avó materna, que cozinha com aquilo que a terra e o mar dão, aprendeu o valor da comida que nos liga ao passado e a ela deve a paixão pela gastronomia açoriana. Na memória do autor, a avó prepara o peixe, antes de o passar por farinha e fritar.
Sente-se o cheiro dos chicharros fritos, com o molho de vilão que ela faz de forma exemplar, acompanhado pelo bolo da sertã quentinho, feito mesmo ali, com mãos treinadas ao longo de décadas, na sertã de barro antiga, ainda herdada da sua bisavó.

Porque acredita que somos aquilo que comemos e que a gastronomia é a melhor forma de nos identificarmos enquanto povo, este livro de Rúben Pacheco Correia é muito mais do que um livro de receitas – é uma verdadeira carta de amor aos Açores e à sua cultura.

Rúben Pacheco Correia vai visitar em breve à comunidade portuguesa radicada na província do Quebec, no Canadá, no próximo dia 18 de abril de 2022 para apresentar o seu último livro na Casa dos Açores do Quebec.

Neurocientista português é homenageado na Bolívia e será precursor em primeiro curso de neurociências do país

Dr. Fabiano de Abreu Agrela, com família de origem madeirense será cientista no hospital Martin Dockweiler, mais avançado da América do Sul.

Desde o dia 27 deste mês que o neurocientista, Dr. Fabiano de Abreu Agrela, está na Bolívia como representante português no XI Congresso Internacional de Medicina de La Universidad de Aquino, na Bolívia. O evento teve lugar em 4 cidades do país sul-americano.

Nestes últimos dias Abreu palestrou nas cidades boliviana de La Paz, Oruro, Cochabamba e Santa Cruz de La Sierra. Também conheceu as instalações do seu novo laboratório no hospital recém inaugurado Martin Dockweiler, considerado um dos mais avançados da América Latina, onde liderará pesquisas à distância desde Castelo de Paiva onde vives.

Durante esta temporada na Bolívia, Fabiano de Abreu recebeu diversas homenagens assim como Portugal que foi referenciado por diversas vezes. Uma das homenagens ocorreu na Escola Europeia de Negócios onde Abreu irá liderar a implementação do primeiro curso de neurobusiness.

Por outro lado, a Universidade de Udabol, organizadora do XI Congresso Internacional de Medicina, o maior evento do género do país convidou Abreu para ser o embaixador e mentor do primeiro curso de neurociência da Bolívia, incluindo os três graus de ensino académico.

Este convite partiu da instituição após discussão de vários conceitos diferenciados que o neurocientista já divulgou em artigos científicos e que teve oportunidade de debater aquando da sua visita a este país. Durante as palestras foi notório o interesse pelo tema por parte do público que se mostrou muito recetivo no que toca às ideias apresentadas. A instituição também colocou à disposição das suas pesquisas o laboratório do Hospital Universitário, instalações inauguradas recentemente e que são as mais modernas da Bolívia.

Durante a visita o neurocientista se mostrou muito satisfeito com todas as parcerias firmadas e com a boa receção do público às suas ideias. Abreu considera que este tipo de cooperação pode ser muito útil e produzir conhecimento.

JENNIFER DE PAULA
Diretora de Marketing e Gestão
MF Press Global

Mundial 2022: Portugal 2-0 Macedónia do Norte

Bruno Fernandes tira o passaporte português

Foi preciso sofrer mais quatro meses e meio. Correr mais 180 minutos. Vencer mais dois jogos.

Mas já está.

Portugal vai mesmo ao Mundial 2022.

Fernando Santos queria menos sofrimento e Portugal, no palco do Dragão, onde há cinco dias superou a Turquia, não deixou a chama das cores da Macedónia do Norte ir mais além (2-0). Jogo seguro. Controlado. Dominado quase sempre. E um bis de Bruno Fernandes a tirar o passaporte português para o Qatar.

Os golos foram mesmo o auge de uma noite plena no Porto. Uma noite que começou com o momento arrepiante no hino nacional (com o desejo de Ronaldo cumprido).

Desenhou-se depois com a coesão, união e inteligência da equipa que, na verdade, tinha mais e melhores argumentos. Mostrou-os. A mesma seleção que, no espaço de um ano e meio, foi ao Euro 2020 e venceu na Alemanha e, há cinco dias, a campeã europeia Itália, foi tudo menos capaz de contrariar Portugal. Basta dizer que não conseguiu um remate à baliza de Diogo Costa. Os primeiros 20-25 minutos ainda mostraram grande equilíbrio e expectativa, até porque a Macedónia, reforçada com Elmas e Kostadinov esta noite e bem assente num 4x2x3x1, também quis jogar e ter bola e tapou praticamente todos os caminhos a Portugal, que, por sua vez, fez uma revolução na defesa com um trio novo e Pepe a fazer uma exibição arrebatadora. Nada passou ali. A única ocasião nessa fase inicial do jogo pertenceu a Ronaldo, incapaz de bater Dimitrievski depois de lançado por Otávio (14m).

De ex-leão para ex-leão, Bruno catou o caminho
O andar do relógio mostrava Portugal cada vez mais capaz de enganar marcações aos macedónios. Bernardo a descer para resgatar jogo foi importante nesse sentido. Mas foi de ex-leão para ex-leão que tudo mudou. Stefan Ristovski, que fez no Sporting amizade com Bruno Fernandes, “ofereceu-lhe” a bola num passe de risco e uma combinação com Ronaldo significou vantagem para Portugal. Minuto 32, 1-0. Ristovski disse na antevisão que se sentia um pouco português. E os portugueses bem agradecem uma ação que foi decisiva para desbloquear o resultado.

Por essa altura, já eram os gritos por Ronaldo. Ou «Portugal, Portugal» em uníssono nas bancadas. O Mundial parecia perto. Mas era preciso dar uma sapatada no sofrimento recente.

Pepe imperial, Bruno a fechar com classe e a estreia
Foi dada. E o Mundial mais perto ficou na segunda parte quando, depois de 20 minutos de algum impasse, um corte – um de muitos – de Pepe sobre Bardhi conduziu Portugal ao 2-0, numa finalização de absoluta classe de Bruno Fernandes após cruzamento de Diogo Jota (65m).

James Couto, A beira da morte

Dois homens, cada qual com cerca de 30 anos, caíram de um muro, em Rabo de Peixe, ao longo de cerca de 20 metros, para as pedras junto ao porto da vila. Um faleceu, de imediato, no local e o outro foi encontrado pelos Bombeiros Voluntários da Ribeira Grande com vários ferimentos sendo considerado politraumatizado grave.

Os Bombeiros Voluntários da Ribeira Grande foram alertados por cerca das 2h30 (hora dos Açores) de segunda-feira sobre o incidente e fizeram deslocar para o local duas ambulâncias, uma das quais transportou, de imediato, o ferido grave para o Hospital do Divino Espírito Santo. No Hospital do Divino Espírito Santo de Ponta Delgada confirmaram a entrada do politraumatizado grave na madrugada. (Correio dos Açores)

Na segunda-feira, recebemos a notícia que O homem que está em coma no hospital é James Couto, acarinhado pela nossa comunidade e que muitos viram pisar os palcos em Montreal.

A equipa do jornal A Voz de Portugal|Montreal deseja que ele sobrevive a este grande accidente, mas que ele está clinicamente morto.

É difícil acreditar tudo o que está no Facebook e recebi uma chamada sobre a situação nos Açores.

Sarrabulho no Clube Português de Montreal

Caro leitor, sei que foi com um invulgar curiosidade que leu o título do artigo, não é o que na giria chamamos o Sarrabulho,… pancadaria,… desacatos, etc.

Desta feita foi um Sarrabulho, à moda do Minho, baixo e alto Minho, que consta de uma comida a base de carne de porco, o respetivo sangue, enchidos de morcela, chouriço, galinha, e alheiras, um prato bastante rico em calorias por isso foi servido durante a hora do almoço no dia 27 de março de 2022.

Uma sala com muita gente como é habito neste clube, e com uma agravante, as pessoas estão fartos de não ter um pouco de distração de dar um pezinho de dança, encontrar amigos confraternizar, como diz o ditado, nem só de pão vive o homem.
A administração do clube e as pessoas que ajudaram estão de parabéns, um serviço impecável, só com um inconveniente, isso já é tradição do Português, nunca chega a horas.

A equipa da cozinha não se poupou a esforços para que tudo estivesse bem e a horas, e a parte disso, já pensou fazer comida para 150 pessoas não é fácil por amor a camisola como dizemos.

São estas e outras pequenas coisas que as nossas actividades clubistas e outras culturais que nos enriquecem. No fim do almoco houve dança folclórica à minhota alguns elementos do Praias de Portugal dançaram e tocaram modas do Minho. Uma tarde bem recheada de convívio de amizade de respeito, que é habito neste clube. Em breve daremos notícias para o almoço da Páscoa.

AS ‘Grandes’ Festas do Divino Espírito Santo estão a beira de ser anuladas para 2022

O tempo do Covid “acabou”, sim o governo finalmente disse várias vezes que o Quebec não pode continuar com incertezas com a Covid, e mesmo o novo diretor por interim disse bem claramente que devemos viver com este bichinho e vão continuar com o desconfinamento, que a população apanha ou não devemos continuar as nossas vidas como era antes.
Eu sempre disse,… desde o início desta pandemia, há duas janelas. A primeira janela é o verão e a segunda é antes do Natal.
Porquê?
É simples,… o vírus não gosta do frio,… então durante o verão está dormindo e antes do Natal começa a acordar. Isto é uma visão simples a dizer mas na realidade a comunidade não pode continuar assim. Tal como o centro da cidade de Montreal!
Há uma economia que se fez com os trabalhadores, os que vêm de férias para visitar a nossa cidade e as pessoas que são os consumidores.
Tirando todos os trabalhadores, funcionarios e pessoas que vai e vem para fazer negócios, o centro da cidade foi um deserto completo, vi isso durante a pandemia e faz medo, porque não se via ninguém nas ruas tal como a rua Ste-Catherine onde havia milhares de pessoas a andar, hoje vê-se muito pouco,… não como era antes.
É dificil compreender.
Mas as grandes festas são assim. Sem o Santo Cristo, Espírito Santo e Nossa Senhora do Monte,… há muito dinheiro investido para toda a comunidade. Sim, um bebe uma cerveja na festa, é dinheiro que entra, as pensões, é dinheiro que entra, as compras das carnes para a festa do Espírito Santo, os artistas que vão cantar, as rematações, o petiscos, que vais comer, os donativos e os investimentos vão fazer mexer todos, mesmos os restaurantes, comércios a volta da Santa Cruz, e mesmos os hóteis em Montreal. A comunidade precisa destas festas a igreja precisa, e o nosso povo precisa também. O passarinho disse-me que as grandes festas do Espírito Santo em Santa Cruz e Anjou não vão ser feitas, e há uma probabilidade que Ste-Teresa vão ser feitas. Eu não compreendo como é que um padre e as comissões podem decidir que não vão fazer nada este ano. Sim, é verdade é muito trabalho mas a comunidade precisa. Em Toronto vi que a máquina já começou, 5 a 6 festas por fim de semana, e são as associações que estão a frente da comunidade, e eles precisam de dinheiro então eles fazem,.. Aqui Anjou, Hochelaga, Clube Portugal, Associação Portuguesa do Canadá e a Casa dos Açores estão a recomeçar pouco a pouco, e isso é importante,… mas onde está Água de Pau, Ribeira Quente, Rabo de Peixe que fazem as maiores festas e fazem mexer a comunidade. Precisamos deles!
Ao menos, Hochelaga vai a frente, e, vão fazer as festas do Espírito Santo, onde estão os outros?
Terça-feira ouvi que todos os festivais vão recomeçar em grande, tal como o festival de Jazz, filmes, Francofolie, Nuits d’Afrique, etc.
Onde está o nosso festival de folclore,… o Festival Portugal, em vez de investir nas nossas associações vão investir aos italianos,… WOW!
Onde estão os líderes da comunidade para fazer mexer a nossa comunidade? Será que A Voz de Portugal deve ir a Toronto fazer reportagens das festas? Porque aqui as pessoas tem medo de trabalhar…
Houve mais um passarinho que me ligou a última hora que as festa dos Espírito Santo de Laval vão decorrer. Sem trabalho,… nada se faz!

Dominique Anglade encontra, pela Primeira vez, a Imprensa étnica

Segunda-feira, 21 de Março de 2022 foi o primeiro encontro com a imprensa étnica em Montreal.
Um encontro bastante interessante, onde o editor deste jornal, Sylvio Martins, indicou que a imprensa étnica está a viver com grandes dificuldades e que deve estar mais presente através das comunidades, em geral, que seja a comunidade portuguesa, e ao mesmo tempo a grega, chinesa, italiana.
Depois a Francisca Reis, directora do jornal A Voz de Portugal reiterou a importância de ter um mês dedicado aos portugueses tal como a província de Ontário, e, indicou que todas comunidades deveriam ser representadas e honradas para que todas as comunidades poderiam sentir-se importante. E, não só uma, mas todas as comunidades, porque este país foi construído pelos imigrantes.
Através deste encontro foi falado sobre as eleições, imigração, simplificação dos contratos de trabalhos e a importância da média comunitária. No final do encontro, apresentou-se o convite para Dominique Anglade, líder do Partido Liberal do Quebeque, foi convidada para assistir as grandiosas festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres que vão se realizar em Maio de 2022 na Santa Cruz.

Aller en HAUT